Blog Single

    A cadeia logística é o trajeto do produto desde a matéria-prima até a disponibilidade para venda. Não envolve somente fabricantes e fornecedores, inclui também todos os processos envolvidos no pedido, como desenvolvimento de produtos, marketing, operações, distribuição, finanças e o serviço de atendimento ao cliente.

    Devemos entender a logística integrada como base para Supply Chain Management, uma vez que esta é responsável por manter toda a cadeia de suprimentos ativa, alinhada e em troca constante de informações.

    Pode-se dividir a cadeia de logística em: suprimentos, produção e distribuição, sendo estas etapas interdependentes umas das outras. Logo, temos:

1- Suprimentos

    Etapa caracterizada pelo gerenciamento da matéria-prima e demais componentes que formarão o produto. Sendo assim, esta etapa verifica a quantidade necessária para realizar um pedido ao fornecedor de matéria-prima, a distribuição e armazenagem. Dessa forma, temos uma visão ampla do processo inicial de produção, permitindo assim uma melhor gestão e agilização nos processos da empresa, concedendo uma melhor qualidade no serviço e um maior direcionamento de esforços.

2- Produção

    Etapa em que são administrados os suprimentos para o processamento e confecção do produto a ser ofertado, sendo definida também pela movimentação dos suprimentos dentro da própria fábrica, abastecimento das fases de processamento até a finalização do bem.

3- Distribuição

    Fase que gera impacto direto e que permite a fluidez na disposição dos itens no local certo e na hora certa. Esta etapa da cadeia de suprimentos é a principal responsável pela rapidez e qualidade da entrega da mercadoria para o cliente, seja ele o consumidor final ou uma empresa na escala de consumo.

    Para que a cadeia esteja interligada, o ideal é utilizar as tecnologias disponíveis no mercado para o acompanhamento e monitoramento, desde a compra de matérias-primas e rastreamento de caminhões até a entrega ao consumidor final. As empresas vêm realizando tais investimentos para que as etapas dos procedimentos sejam agilizadas e com menor perda de informações.

    A automação pode ser realizada do início ao fim, fornecendo maior visibilidade de processos e tornando a cadeia o mais real possível. Esta automação permite ainda a avaliação de pontos negativos e positivos, bem como diferenciais comparados a concorrência, gerando relatórios mais precisos, aumento de produtividade e, em alguns casos, redução do custo de mão-de-obra e melhoria nas inovações dentro da corporação, uma vez que o nível estratégico terá mais tempo para agir.

    Além de investir em novas ferramentas de utilização, as metodologias estão sendo constantemente atualizadas e estruturadas, tornando a gestão da cadeia mais eficaz. Desta forma, consegue-se gerar uma melhor eficiência na entrega dos serviços e agregar valor ao cliente final.


QUAIS SETORES ABRANGE:

    A cadeia de produção envolve tanto maquinário quanto pessoas, logo, pode-se dizer que estão envolvidos:

  • Fornecedores
  • Pessoas
  • Maquinário
  • Transportadora

    Sendo assim, tem-se o objetivo da supply chain como uma unificação de todos os esforços realizados no caminho do produto.

BENEFÍCIOS:

    O acompanhamento das etapas deve ser realizado para que os resultados sejam positivos, trazendo benefícios como:

1- Aperfeiçoamento dos serviços:

    Fato fundamental na fidelização de fornecedores e clientes, uma vez que, o serviço ou produto terá melhor qualidade.

2- Vantagem competitiva:

    Com a melhoria dos processos, a empresa terá mais qualidade nos seus serviços, gerando assim, uma maior competição no mercado;

3- Redução de custos operacionais:

    Designando corretamente os recursos, reduzindo falhas e desperdícios;

4- Maximização de receita:

    Ao reduzir o custo e perdas, automaticamente há uma signficante melhoria nas finanças;

5- Controle:

    Realizando o controle com frequência de todas as etapas, pedidos, quantidades e, principalmente, qualidade.


    Esses são exemplos mais comuns e gerais dos benefícios da gestão da cadeia de suprimentos, demonstrando a importância de se ter um profissional bom e engajado.

    Portanto, tem-se que a Supply Chain é um conjunto de esforços para agilizar os processos. Para a manutenção desta agilidade, é necessário manter os pilares de nível estratégico (definição da estratégia que será usada), o fluxo constante de informações, o gerenciamento do espaço físico (administrar os espaços disponíveis) e do relacionamento com parceiros da organização.

Escrito por:

Indiara Serpa;
e João Vitor Gonçalves Coelho.